Botox: saiba tudo sobre o assunto

A prática é uma das mais populares no mundo, veja o que você precisa saber antes de optar por ela

21 de março de 2023 - às 20h28 (atualizado em 12/5/2023, às 20h19)

mulher recebe injeção de botox
Crédito:

Envato

Escrito por

A aplicação de Botox para combater as rugas é o procedimento não cirúrgico mais realizado no mundo. É o que aponta uma pesquisa realizada em 2022, pela entidade norte-americana Isaps (Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica Estética, em português), que mostra que a prática chega a 43% dos procedimentos realizados.

 

O que é Botox?

Glaucia Helena Zeferino, cirurgiã plástica, explica que o Botox é uma molécula que se liga a receptores nos músculos onde é aplicado. Famoso pelos resultados estéticos, também é utilizado em outras áreas da medicina funcional, como oftalmologia e bucomaxilofacial.

É reconhecido como um método simples, seguro e eficaz e quando realizado por profissionais capacitados, o tratamento alcança resultados excepcionais e naturais.

É importante dizer que Botox é apenas um nome comercial, que se popularizou em todo o mundo, mas seu princípio ativo é toxina botulínica A, descoberta no século 19.

 

O que o Botox faz?

Fabiana Pedreira, médica dermatologista, explica que a toxina botulínica do tipo A, quando isolada de forma bem purificada, congelada a vácuo e estéril, é utilizada para fins terapêuticos e, aplicada em doses baixas ou adequadas, bloqueia a substância que é a responsável por levar a informação do cérebro para que o músculo se movimente. “Então, pode-se dizer que a toxina botulínica impede a contração muscular”, explica a médica.

Nos procedimentos de dermatologia estética, a toxina é aplicada na face relaxando os músculos causadores das rugas de expressão, amenizando os constantes movimentos, sem deixar o paciente inexpressivo. Com essa interrupção e relaxamento muscular, as rugas se atenuam, minimizando os sinais de envelhecimento. Os resultados variam de pessoa para pessoa.

As aplicações de Botox podem ser feitas em casos de:

• Rugas de expressão entre as sobrancelhas, pés de galinha e linhas na testa

A glabela é o espaço entre as sobrancelhas, que geralmente se franze quando alguém fica bravo. A toxina pode ser aplicada para amenizar as marcas dessa expressão. Também pode ser usada para o efeito de elevação das sobrancelhas.

Na testa, funciona para amenizar as expressões de surpresa, que com o tempo causam rugas laterais quando se levantam as sobrancelhas de forma exagerada.

Já os pés de galinha, uma das queixas mais comuns nos consultórios, são ativados quando a pessoa sorri, favorecendo o surgimento dessas rugas nas laterais dos olhos.

• Sorriso gengival

Nos casos de muita área de gengiva exposta entre os dentes e o lábio superior, a toxina pode ajudar a relaxar o músculo, para que o lábio superior não se levante exageradamente quando se sorri. O Botox pode amenizar bastante o problema sem precisar recorrer à plástica gengival.

• Rugas no lábio superior, também conhecidas como código de barras, rugas no pescoço, também chamadas de pescoço de peru e rugas nasais

A aplicação da toxina nestes locais, pode provocar o desaparecimento completo dessas rugas.

• Sudorese excessiva das mãos, pés e axilas (hiperidrose)

A toxina ameniza a produção excessiva de suor.

 

Botox preventivo

Uma coisa que algumas pessoas não sabem, é que o Botox também é indicado para prevenir o surgimento das linhas de expressão. Então, não é necessário esperar o problema aparecer para cuidar dele, a partir dos 20 anos, ele pode ser usado para impedir ou retardar o surgimento gradativo das rugas, mantendo uma aparência jovem por mais tempo.

Nesse caso, são utilizadas quantidades menores e com consciência dos resultados obtidos de acordo com a idade, pois em tratamentos preventivos os efeitos são menos perceptíveis. A ideia é evitar que o problema surja e não tratar um problema já existente.

O tratamento feito por pessoas que já possuem rugas ou marcas de expressão se chama Botox corretivo.

 

Quando o Botox é indicado?

Fabiana também explica que as indicações atuais aprovadas pela Anvisa são para doenças neurológicas, doenças oftalmológicas, doenças dermatológicas, além de doenças do trato urinário. “Estrabismo, blefaroespasmo, espasmo hemifacial, as distonias, que são as diferenças de movimento, o bruxismo, que é o ranger do dente, ou então a espasticidade, que é aquela diferença de movimentos de um lado para o outro, ou dificuldade de movimento, ou então excesso de movimento. Ele controla essa movimentação”, completa a médica.

“No trato urinário, a incontinência urinária e a bexiga hiperativa também contam com o auxílio da toxina botulínica aplicada diretamente na bexiga, porque a substância controla a vontade da pessoa urinar e isso melhora muito a qualidade de vida dela”, afirma Fabiana.

 

Como é feita a aplicação do Botox?

A dermatologista explica que, além dos médicos, os profissionais que atualmente podem aplicar a toxina botulínica são dentistas, biomédicos, enfermeiros e fisioterapeutas. Além disso, ela ressalta a importância do profissional estar em constante atualização com novas técnicas de aplicação, para trazer o melhor resultado ao paciente de maneira mais segura.

“Tem estruturas no corpo humano que não devem ser lesionadas, tem estruturas que não podem ser mexidas e quanto mais conhecimento dessas estruturas o profissional tem, menor o risco de complicação”, alerta a médica.

Em uma primeira consulta, o paciente relata o que o incomoda na aparência do rosto. O profissional avalia, demarca as áreas onde serão necessárias as aplicações e a quantidade de Botox necessária para cada área, conforme as características do rosto de cada paciente, analisando a profundidade das linhas de expressão e rugas. Tudo visando que o resultado seja o mais natural possível. Geralmente, fotografam o rosto do paciente, para comparar o antes e depois da aplicação.

Já na aplicação, o especialista limpa a região com álcool, marca os pontos específicos e o tratamento é feito injetando pequenas quantidades da toxina diretamente nos locais identificados. Geralmente, com uma distância de 1,5 cm de um ponto até o outro, através de uma agulha muito fina (como a de insulina). O procedimento demora apenas alguns minutos (muitas vezes menos tempo do que a consulta ou no máximo 30 minutos) e a recuperação não é demorada. Glaucia explica que cada região necessita de padrões de diluição e pontos específicos para a aplicação.

“As áreas mais aplicadas na estética são no terço superior e médio da face, pescoço e axilas. No terço inferior o profissional deve estar bem habilitado para evitar um efeito não-estético local”, apontou a cirurgiã plástica.

A aplicação causa uma leve sensação de ardor e, geralmente, é bem tolerada, mas varia de pessoa para pessoa. O medo de injeções é um dos principais motivos que afugentam pacientes dos consultórios, mas em pessoas com sensibilidade maior, são utilizadas pomadas anestésicas, agulhas menores ou aplicação de gelo no local. Essas técnicas mascaram a sensação da agulha.

 

Quando aparecem os resultados do Botox? 

Os efeitos da toxina começam a aparecer no prazo de dois a cinco dias após a aplicação, levando no máximo 20 dias para atingirem seu resultado máximo. Assim como o preço, a duração varia de acordo com o produto utilizado e também de pessoa para pessoa. Em geral, tem duração de três a seis meses, podendo durar mais ou menos do que essa média. Nesse período, o efeito vai diminuindo gradualmente, no final a pele volta a ter o aspecto que tinha antes do procedimento. “Com o tempo, uma ação enzimática vai consumindo a molécula e o efeito vai sendo perdido”, explica Glaucia.

Fatores como a força muscular, uso de medicamentos e rotina de atividade física podem influenciar na duração do resultado, tornando-a um pouco menor.

Após os 20 dias, a consulta de retorno é importante, pois nesse momento, o profissional avalia se há necessidade de algum retoque.

A primeira aplicação tende a ter uma duração menor do que as seguintes, porque o organismo reconhece a toxina como uma substância estranha e tenta combatê-la na primeira aplicação. Após repetir o tratamento, o músculo tende a perder sua força e por isso, os resultados são cada vez mais duradouros.

 

Cuidados:

Fabiana lembra que é fundamental, para quem se decide pela técnica, procurar um profissional habilitado com a prática da aplicação da toxina, que tenha conhecimento anatômico da área que vai ser tratada. Também é importante procurar por um lugar seguro, um lugar adequado, limpo e de preferência um consultório médico para realizar o procedimento, além de ter a certeza de que a substância utilizada é uma substância liberada pela Anvisa, uma substância regulamentada pelos órgãos responsáveis. Dessa forma, os riscos de complicações diminuem muito.

Gestantes e lactantes devem aguardar o período de gravidez e amamentação, para evitar que a toxina seja passada para o bebê.

Pessoas fazendo uso de antibióticos, anticoagulantes, anti-inflamatórios, aminoglicosídeos ou com doenças neuromusculares, coagulopatias ou imunológicas também não devem fazer o procedimento, mesmo com a doença em tratamento.

Infecção ou inflamação no local da aplicação, também impossibilita o procedimento e é muito importante saber se não há alergia a nenhum componente do produto.

Cuidados para antes da aplicação:

  • Evitar o uso de aspirina ou anti-inflamatórios nos três dias que antecedem a aplicação para diminuir o risco de hematomas;
  • Evitar o uso de cosméticos um dia antes da aplicação;
  • Não usar maquiagem no dia do procedimento.

Cuidados para depois da aplicação:

  • Não deitar ou abaixar a cabeça por quatro horas depois da aplicação, e se for dormir após esse período, a cabeça deve ficar ligeiramente elevada;
  • Evitar massagens, limpeza de pele ou movimentos de pressão no rosto durante três dias;
  • Ainda respeitando as quatro horas, também não se deve viajar de avião, pois a toxina pode se mover para uma região não aplicada;
  • A área tratada não deve ser exposta a frio ou calor intenso (evite compressas);
  • Evitar o uso de cosméticos um dia após a aplicação;
  • Evitar esforços físicos por 48 horas;
  • Usar protetor solar;
  • Não há restrições ao retorno de atividades habituais.

Efeitos colaterais

  • Inchaço, vermelhidão e dor leve no local da aplicação (costumam desaparecer de 24 a 48 horas após o procedimento);
  • Hematomas;
  • Dor de cabeça por algumas horas (pode ser tratada com analgésico comum);
  • Queda temporária da sobrancelha e da pálpebra.

 

Curiosidades sobre o Botox

  • Não é usado para aumentar o volume dos lábios, apenas para atenuar rugas de expressão.
  • Pode ser usado em combinação com outros procedimentos como peeling, laser e preenchimentos, podendo melhorar os resultados (é importante ter uma avaliação médica).
  • O tratamento não causa botulismo. A grave doença ocorre quando a pessoa ingere a toxina em grandes quantidades. Por exemplo, consumindo alimentos contaminados com a toxina botulínica.
  • Por terem a musculatura mais forte, a aplicação em homens necessita de mais unidades da toxina botulínica e tende a durar um pouco menos do que nas mulheres.
  • Não tira as expressões faciais. A toxina age relaxando os músculos apenas na região onde foi injetada e o grau de relaxamento varia conforme a dosagem utilizada, podendo ser mais ou menos intenso. O uso em maior quantidade do que o recomendado pode deixar o resultado artificial.
  • A manutenção do tratamento (a cada seis meses) evita a formação do anticorpo que combate o Botox. Se o intervalo for grande, o resultado pode ser quase igual ao da primeira aplicação, inclusive passando a durar menos.

 

Diferença entre Botox e preenchimento

Na estética, o Botox tem a função de suavizar os movimentos repetitivos de expressão, o preenchimento, por sua vez, tem a função de dar volume. Dessa forma, eles tratam de diferentes questões e queixas dos pacientes.

Quando o que incomoda o paciente é alguma parte do rosto que não corresponde a como o Botox age (relaxamento do músculo), como as olheiras, por exemplo, então é o caso de fazer um preenchimento.

Ambos podem ser feitos no mesmo dia, a menos que as áreas sejam muito próximas. Nesses casos, o intervalo de uma semana é indicado.

 

E o Botox capilar?

Embora seja conhecido como Botox, ele não tem nada a ver com o Botox usado no tratamento de rugas. Ele não possui toxina botulínica.

O procedimento recebeu esse nome porque, assim como o Botox renova a pele, ele renova o cabelo nutrindo, fortalecendo, dando flexibilidade, preenchendo os seus fios, deixando mais bonito, hidratado, sedoso, com brilho, sem frizz e pontas duplas.

É indicado para quem tem os cabelos danificados, enfraquecidos e desvitalizados pelo uso de tratamentos químicos, como a coloração artificial ou a escova progressiva, ou pelo uso de chapinha, secador e até poluição. Seus resultados podem durar de 30 a 40 dias.

 

Coloque em prática 

A aplicação de Botox possui contraindicações, como por exemplo, alergia a algum componente presente em sua fórmula, portanto não arrisque e consulte de preferência um dermatologista ou cirurgião plástico, que são os profissionais mais capacitados para saber se você pode ou não realizar o procedimento. Avaliar a formação e certificação do profissional antes de se submeter a qualquer procedimento é muito importante, pois isso pode garantir sua saúde e segurança.

Caso você possa realizar e passe pelas aplicações, aqui vão algumas dicas para o Botox durar mais tempo:

  • Usar filtro solar
  • Evitar franzir e ficar testando o efeito do Botox;
  • Fazer skin care;
  • Verificar se há deficiência de zinco no organismo;
  • Não fazer outra aplicação antes do prazo determinado. O intervalo recomendado é de seis meses, mas pode ser adequado de acordo com o paciente e poderá ser menor dependendo de sua força muscular, isso, respeitando o período de segurança de quatro  meses. Caso esse prazo não seja respeitado, existe o risco de o organismo criar resistência ao produto, fazendo com que perca o seu efeito.

 

Consulte sempre um profissional sério! Aqui no Let’s Move! é possível encontrar um profissional perto de você ou on-line. Utilize a nossa busca!